08/01/2020

Saúde de Engenheiro Coelho promove campanha em conscientização a Hanseníase

Doença popularmente conhecida como lepra tem cura e o tratamento é oferecido gratuitamente nas redes públicas

Da Redação

Engenheiro Coelho promove neste mês a campanha pelo combate e prevenção a hanseníase, o Janeiro Roxo. A doença, popularmente conhecida como lepra, tem cura e o tratamento é oferecido gratuitamente nas redes públicas. O Brasil ainda ocupa a 2ª posição do mundo, entre os países que registram novos casos da doença, por isso, a conscientização a respeito dela é muito importante para a população.

Segundo informou a Secretaria de Saúde de do município, serão oferecidas palestras nas salas de espera nas Equipes Saúde da Família 1, 2 e 3; Promoção de Grupo na Equipe Saúde da Família 3, oferendo contatos para divulgação de direitos e deveres do paciente com Hanseníase, além de busca ativa nas áreas onde houveram aumento de casos.

Ainda de acordo com o departamento, um workshop para profissionais estratégicos da rede já foi feito e um outro deve acontecer nas próximas semanas. O objetivo é ampliar a compreensão da doença e o escopo de estratégias dos profissionais para a prevenção e tratamento, e com isto contribuir para a diminuição dos casos. “A maior importância desta campanha é eliminar esse estigma da doença e também informar com veracidade sobre o que a hanseníase. As pessoas tem muito preconceito ainda, acham que quem tem a doença tem que ser mantido isolado, afastado do convívio e isso não é verdade”, explica Ellen Forner, enfermeira de Vigilância em Saúde.

“O que deve ser levado a sério é a intervenção, tomar corretamente as medicações, fazer o tratamento completo e com acompanhamento médico. Portanto, essa campanha vem para lembrar que essa doença existe, mas tem tratamento gratuito e muito eficaz. Nosso objetivo é trazer esclarecimento e informação ao público”, finaliza.

Serviço – Palestras sobre a Hanseníase 

Local: Equipe Saúde da Família, 1, 2 e 3;  e UBS Cidade Universitária “Dr. Lucyen Alves da Costa”.

Data: Segunda a sexta, até o fim do mês de janeiro.

Horário: 7h às 16h

Endereço:

  • ESF 1: Rua João Berton, s/nº – Parque das Industrias –  Engenheiro Coelho-SP.
  • ESF 2: Rua Benedito Cunha Guedes, nº 374 – Jardim do Sol – Engenheiro Coelho-SP.
  • ESF 3: Rua Antônio Batistela, s/nº – Jardim São Paulo – Engenheiro Coelho-SP.
  • UBS Cidade Universitária “Dr. Lucyen Alves da Costa” – Rua Delcy Reis Grellmann, s/n.º, Cidade Universitária, Engenheiro Coelho-SP).

Serviço – Promoção de Grupo

Local: Equipe Saúde da Família III

Data: Segunda a sexta, até o fim do mês de janeiro

Horário: 7h às 16h

Endereço: Rua Antônio Batistela, s/nº – Jardim São Paulo – Engenheiro Coelho-SP.

Hanseníase

O que é?

A hanseníase, conhecida antigamente como Lepra, é uma doença crônica, transmissível, de notificação compulsória e investigação obrigatória em todo território nacional. Possui como agente etiológico o Micobacterium leprae, bacilo que tem a capacidade de infectar grande número de indivíduos, e atinge principalmente a pele e os nervos periféricos com capacidade de ocasionar lesões neurais, conferindo à doença um alto poder incapacitante, principal responsável pelo estigma e discriminação às pessoas acometidas pela doença.

A infecção por hanseníase pode acometer pessoas de ambos os sexos e de qualquer idade. Entretanto, é necessário um longo período de exposição à bactéria, sendo que apenas uma pequena parcela da população infectada realmente adoece.

O Brasil ocupa a 2ª posição do mundo, entre os países que registram casos novos. Em razão da elevada carga, a doença permanece como um importante problema de saúde pública no País.

Os sinais e sintomas mais frequentes da hanseníase são:

  • Manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas, em qualquer parte do corpo, com perda ou alteração de sensibilidade térmica (ao calor e frio), tátil (ao tato) e à dor, que podem estar principalmente nas extremidades das mãos e dos pés, na face, nas orelhas, no tronco, nas nádegas e nas pernas.
  • Áreas com diminuição dos pelos e do suor.
  • Dor e sensação de choque, formigamento, fisgadas e agulhadas ao longo dos nervos dos braços e das pernas.
  • Inchaço de mãos e pés.
  • Diminuição sensibilidade e/ou da força muscular da face, mãos e pés, devido à inflamação de nervos, que nesses casos podem estar engrossados e doloridos.
  • Úlceras de pernas e pés.
  • Caroços (nódulos) no corpo, em alguns casos avermelhados e dolorosos.
  • Febre, edemas e dor nas articulações.
  • Entupimento, sangramento, ferida e ressecamento do nariz.
  • Ressecamento nos olhos.

Como é feito o tratamento?

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza o tratamento e acompanhamento da doença em unidades básicas de saúde e em referências. O tratamento da doença é realizado com a Poliquimioterapia (PQT), uma associação de antibimicrobianos, recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Essa associação diminui a resistência medicamentosa do bacilo, que ocorre com frequên­cia quando se utiliza apenas um medicamento, o que acaba impossibilitando a cura da doença.

Os medicamentos são seguros e eficazes. O paciente deve tomar a primeira dose mensal supervisionada pelo profissional de saúde. As demais são auto-administradas. Ainda no início do tratamento, a doença deixa de ser transmitida. Familiares, colegas de trabalho e amigos, além de apoiar o tratamento, também devem ser examinados.

Para crianças com hanseníase, a dose dos medicamentos do esquema padrão é ajustada de acordo com a idade e o peso. Já no caso de pessoas com intolerância a um dos medicamentos do esquema padrão, são indicados esquemas substitutivos.

A alta por cura é dada após a administração do número de doses preconizadas pelo esquema terapêutico, dentro do prazo recomendado. O tratamento da hanseníase é ambulatorial, ou seja, não necessita de internação.

……………………………………

Tem uma sugestão de reportagem? Clique aqui e envie para o Portal Coelhense.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.